sábado, 5 de novembro de 2016

Justiça

Esta é a justiça 
numa estátua de Erbo Stenzel:
Sedutora e Oblíqua,
promete e não entrega.
Prostrada, controla.
De lado, procura.
Conhece o furor do estupro.
Enfrenta, protege,
a si ante outros sedentos.
Escrava dos homens brutos.
Exprime o trauma de dentro
nos olhos que tudo atracam,
na tranca de seus redutos,
nos seios estuporados,
na prontidão sem pecados,
na projeção sem futuro.
Esta é a justiça
numa estátua paranaense.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Fraqueza

Sinceridade não é sinal de fraqueza

Fechar-se em si mesma
Não pensar pra não mentir
Mentir pra depois pensar
É pura debilidade

Reconcilia-se com a verdade

Eu não me escondo
Mas o mundo não perdoa
Ser o espelho do outro
O mundo não aceita
A ausência do jogo

O segredo azeita
O uso do gozo

domingo, 21 de agosto de 2016

Angústia

É mais difícil amar ou ser amado?
Amar é escolher ou é deixar?
      Quem ousa, usa
Amor é luxo ou necessidade?
Vício ou placebo?

É por medo, não por vergonha,
     que não choro
Olho pra cima e vejo uma estrela entre a fresta da cortina
     no centro da cidade armada
Penso no impeachment, na polícia
enquanto uma mulher com câncer assiste um jogo de vôlei
É duro ser suave
     Mas mais leve
     se sólido fosse

É a fé que faz parte do amor?
Ou o amor que compõe a fé?
Amar é desistir?
     Ou acreditar?
Quem usa,
     ousa.