quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Patético Artifício

Apenas um desvio eu tenho
Do dogma vegetariano
Desejo insasciável que saliva minha boca

Não provo os peixes
Não gosto de picanha
Minha tentação maldita
É a salgada carne humana

Fibras
Colágeno
Músculos tenros de potros exercitados
Sangue que borbulha nas fendas dos dentes
Baba suculenta de suco que escorre pelo queixo

Na viagem pra Copacabana
Uma coxinha vegana
Na aduana
Me pararam
Com uma costela de barro

Chego a acreditar que o meu vegetarianismo
Não passa do patético artifício
De prolongar a abstinência
Estratégia pra aumentar a sensação do gozo
Quando mastigo com nojo o pescoço de uma novilha

Nenhum comentário: