quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Mistério-Lua

O astro
     Infinito
Revolta o eixo terrestre
A cara fixa
Mirada vesga
Há centanos
     Milênios
Olhando
     E olhando
E nada dizendo

Os humanos
Perguntando
     Das coisas lá do céu
Mitos e lendas
Equações e teoremas
E
     Mais
Navios espaciais
Pro mistério lunar
Cósmica intriga

- Por que a mesma cara?

Mas pobres dos macacos
Que pendem dos livros pelo rabo

Não é da lua o segredo:
      O que há no nosso globo que cativa o eterno engenho?

Enigma

Pra mim o seu olhar
      No fundo
Me faz rodar
      Em volta do mundo

domingo, 24 de agosto de 2014

Aos mortos
A morte nada muda na vida
Que fica presa na pedra como estátua
Roída pelas interpéries sociais
Flutuando
Nem no passado
Nem no presente
Nem - nunca - em nenhum amanhã

Contudo
A morte muda a vida dos vivos
Porque a morte só é morte
de foice e capote
Para os outros
        Que não morreram ainda

Toda morte que existe
É a morte de alguém que não eu

É por isso que há nada mais vívido
Do que o velório
Do seu namorado
Ou mais querido amigo
Ou do seu marido
Ou do colega de trabalho desconhecido


O fim de uma coisa
É só o começo
       De seu contrário
Que
       Se movendo
Se torna operário
Girando a engrenagem do mundo