segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Caçada

A seta do cupido
            Acerta em cheio minha libido aceta
     A meta do cuspido traço
É o vaso dessa dor que veta
O meu mote em reta linha
É que meu peito azeda todo amor que é flecha

O arco que se entesa
      Quebra
Eis a morte do Eros vil intento
      Meros ventos
            Desguiaram
O que visava o arco atento

Nego o choro patético dos pares
      Que se explodam as flores
            Que se afoguem nos mares
Essas drogas de amores

Mas
      Audaz
A mira das deidades nunca é falha
      Como a folha
             Precisa
      Só cai depois de seca
Após o reto tiro
      Fincado em minha alma
             O alvo-de-mim se atira
Na armadilha como a tola caça

Nenhum comentário: