sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Brisa

Posto mais um poema do grande caramada Lucas Perucci de Londrina, companheiro de militância e poesia

Brisa

uma Brisa leve,
lambe a pele,
perscruta cabelos,
oxigena lábios.

se condensa
condena
e passa.

- toda Brisa esvai e vaza! -
voz da Brasa
quase Cinza.

Mas,
sugo sopros
de outras Brisas,

e como sou
também de Fogo,
me incendeio de novo

Nenhum comentário: