domingo, 20 de junho de 2010

Fotofantasia

A fotografia é mais um tipo
De fantasia
As imagens somente linhas
Num papel

Atrás dessa tela, desse véu
A experiência do Real se Descortina?

Não há nada atrás dos negativos
Do jornal
Apenas fotos penduradas sob luz negra
Num varal

A foto revelada nos revela o mais Real:
Não há realidade atrás da imagem
Moldura fantástica é a vida
E nossa inteligência tira fotos coloridas
Dos sentidos como tal

Memória de um instante que se passa
Mas fica no registro fotoquímico
Fotoqueimadura nos meus olhos
As lentes retém o um só momento
Mas a mente fantasia
Sobre a imagem daquele dia
Que nunca mais existe
Mas persiste na fotografia

E a pose para a foto
"Olha o passarinho"
Voou para bem longe
Posamos mesmo assim
Diante dos pássaros, dos corvos, dos urubus
Posamos diante da lente
De cada olho a piscar no flash
Posamos para fotos sociais

A fotografia vale mais
Que uma palavra mal dita
Que um filme de tanto-faz
Maldita impressão fotoquímica
Que anuncia o passado contumaz

É o Real que nos escapa
A experiência imaginária
A fantasia imagética como tal
A estética

Foto-Fato-Fatal

Hermética

Foto-Fonte-Final

Patética

Foto-Fito-Fetal

Pisquei. Fecho os olhos na hora
Exata de me questionar
A foto é o sintoma daquilo
Que deixei escapar

Fotografia Real

3 comentários:

Hugo Simões disse...

o fato da foto é que falta

pois o falso se faz pixel

enquanto piscamos o não fictício

abraço yuri

Cilene Tanaka disse...

Certa vez li um conto de Ítalo Calvino. O livro era "Amores Difíceis" e o conto não me lembro qual era. Mas o fato é que o conto contava a história amarela de um homem que não tirava fotos porque achava que enquanto se tira fotos, não se vive. Guardei o sentimento comigo e até hoje, ao sacar uma foto, sinto culpa. O assunto não sou eu mas seu poema, mas sou eu falando de seu poema, então o assunto também sou eu. Seu poema, como o conto, também me é amarelo. Mas amarelo com um pouco de branco...

Yuri Campagnaro disse...

Obrigado Cilene, que comentário bonito, não conhecia esse conto, mas essa reificação foi um tema desse poema sim, lindo comentário o seu, muito agradecido