domingo, 14 de fevereiro de 2010

Voa Tempo Voa

Tanto tempo se passou
Em tão pouco tempo
Tantas palavras
Em tão poucas frases
Quantos pensamentos
Grandes momentos
Movimentos
Não ficou nada

As mesmas mãos que acariciaram
Faces, cinturas e glúteos
Também madeiras e nylon
Agora repousam vazias
Repousam tardias
Nuas e tristonhas

Segurando canetas como fossem penas
Refletem

Quanto tempo nesse mês pequeno
Pequeno Janeiro
Menor Fevereiro
Parece final e ainda estamos no meio
O Sol que desponta no norte
Aqui não tem vez
Não me toca nem roça as faces
Nem me faz suar
O Sol não envelhece no sul

Tanto tempo se passou
Desde tão pouco tempo atrás
Pisquei
E os dias ficaram para trás
E as horas de êxtase se tornaram um breve sonho
Uma sombra
A satisfação de uma necessidade só criou outra necessidade
Mais forte
Mais sede
Mais fome

O tempo passa
O tempo some
Mas a desgraça
É a fumaça que nos come

Um comentário: