sábado, 21 de novembro de 2009

Tu Voltas

Vida vai
Vida vem
Tantas voltas que se voltam
Que eu não conheço mais ninguém

Tento me lembrar de cada milímetro
Cada minuto
Cada sentido

É a cura de todos os malefícios:
Das bebidas, das drogas
Das troças, dos bixos
Das traças, das togas
Dos beijos, dos vícios
Das palavras e abraços
Dos braços dos beijos novamente


Tantas voltas que não conheço

Heroicamente me divido em dois
Esquecendo
(ou tentando)
Me jogo na vodka porque no tédio o camarada já sabe
Heroicamente me revelo em dois
Dizendo
(ou tentando)
Me jogo no telemóvel porque sou inclinado à sonoridade

Incitado por motivos transcendentais
Eu insisto como uma mosca
Resisto a todas as tentações - nunca olho pra trás
(só com o canto do olho)

O regresso dos meus sentimentos
Torna a domingos atrás
Quando eu lia nos teus olhos
Chegando na estação fumegante dos meus trens

Tanto voltas
Que mais ninguém
Mais a vida
Vida, vem!

2 comentários:

Hugo Simões disse...

muito bom! layout ficou foda também!

Jéssica B. disse...

nossa! muito, muito bom.
senti daqui...

o "Vida, vem!" vai ecoar em mim...