terça-feira, 18 de agosto de 2009

Se o óbvio acontecer
Nunca serei feliz

Abandonei faz tempo a ilusão de ser eterno

Eu não quero ser reconhecido
Como aquele homem - ponto

Sozinho

De metades o mundo não vive
Parece que ela não entende isso
Ou serei eu
O tal do ignorante?

2 comentários:

Hugo Simões disse...

seus poemas são ótimos yuri, você é um artista de verdade!

Hugo Simões disse...

valeu yuri! já me falaram dessa folha acadêmica, como que funciona?