domingo, 2 de agosto de 2009

Exorcismo

Esse poema, juntamente com os anteriores, a partir do poema sem título abaixo, faz parte de uma série antiga, considere isso uma reciclagem de 2006, 2007 e 2008

Amava mais te amar do que te amava
Queria mais sonhar do que beijava
Queria mais te olhar do que falava
Sonhava mais teu seio
Olhava mais idéia
Minha Dulcinéia
Arrancada do meu peito
Você era o vento
O que eu amava era moer
E moia todo sentimento
Que remetia a defeito teu

Acabou meu ódio
Meu remorso
Xenofóbico

Agora tu não mais és
Apenas poesia ralé
Mas contigo percebi que
O eu me amava
E considerava você, eu
E deste egocentrismo embromador
Jamais sofrerei de novo

Adiós,
Que tu poesía murió.

Nenhum comentário: