sexta-feira, 24 de julho de 2009

Esse cheiro

Esse cheiro...
Esse cheiro sou eu
Minha pureza abandonei há muito tempo

Agora em minhas mãos
Nos meus dedos
Embaixo da unha
Esse cheiro...

Calei a boca dos meus pulmões
Construí barricadas nas minhas artérias
Fiz piquetes no meu sistema nervoso central
Joguei pela privada os comprimidos
As receitas
Os estetoscópios

Ando me cuidando demais ultimamente
Quantas doses serão necessárias
Pra me destruir os pedaços dos rins?
Um pouco de masoquismo cai bem
Somente a autofagia nos une

Mas nisso não vejo mais graça nem dor
Preciso mesmo
É flagelar um pouco você

Ah! Pegar sua garganta c'os dedos
Encostar você na parede com tudo
Forçar violento o gosto do seu batom
E te jogar no chão!

Não te violentaria
Porque não pago por sexo

Agora é na minha boca
Esse cheiro...

Cuspirei nos baldes da razão
Que de tanta saliva estão cheios
Tão cheios que estão
Que nem tem mais razão em sê-los

Esse cheiro...
Esse cheiro é o desejo
É o cheiro do não

Nenhum comentário: