terça-feira, 15 de julho de 2008

Metalinguagem

eu tento falar da minha vida
e se eu tentasse falar com rima?



nem curto essas idéia de
poetinha da mamãe

sou um filinho da mamãe
isso já o bastante

pelo menos no papel
quero mandar tudo à merda
ser um super-homem

falar caralho
merda
buceta

que otário

não dá pra chamar isso aqui de poema

senão podería escrever em ###§§§°º☺☻☺☻

não

faz tempo que privada virou arte
ninguém mais se choca com nada

mas se eu conseguir fazer a folha
virar alguma coisa digital
diminuir de tamanho
interagir!

haha

como se a palavra
não fosse intersubjetividade
mútua

mas o poema tem que ser curto
e tem que falar:

(que rufem os tambores
tum tum tum tttttttutmttmtum)

- vagina

e uma mulher com uma boina
um bongô
uma roupa estranha
começa a dançar e gritar como louca

e o que que eu faço com a porra do soneto alexandrino que eu fiz?

nada
eu nunca fiz coisa assim

poesia de verdade

é repente

por isso eu repinto

piada também é poema

e que coisa

ninguém nunca compra!

Nenhum comentário: